Heparina, ainda não!
Esta revisão rápida foi produzida por meio de uma ação colaborativa entre o Núcleo de Avaliação de Tecnologias em Saúde do Hospital Sírio-Libanês (NATS-HSL) e a Unidade de Avaliação de Tecnologias em Saúde do Hospital Alemão Oswaldo Cruz (UATS-HAOC).

As buscas foram conduzidas em 13 de abril de 2020 e identificaram 5 estudos clínicos: 2 estudos de coorte histórico e 3 ensaios clínicos randomizados em andamento. Os dois estudos de coorte eram heterogêneos, incluíram 491 adultos internados com infecção por SARS-CoV-2, que receberam ou não heparina em doses e por durações variadas, em adição ao tratamento de suporte (com ou sem antiviral). Os achados sugerem que talvez possa haver algum efeito da heparina na redução nos níveis de dímero D e IL-6, além de aumento dos linfócitos em pacientes com COVID-19. Não foram observados benefícios da heparina na mortalidade aos 28 dias e na taxa de internação hospitalar. No entanto, a confiança nestes achados é muito baixa devido ao risco crítico de viés dos dois estudos e à imprecisão das estimativas. A eficácia e a segurança das heparinas em pacientes com COVID-19 são incertas, o que impede a recomendação do seu uso de rotina na prática clínica até que os resultados dos estudos em andamento estejam disponíveis.

Fonte: https://oxfordbrazilebm.com/index.php/2020/04/17/heparinas-para-infeccao-por-sars-cov-2-covid-19/

Compartilhe em suas Redes Sociais