Covid-19 no Brasil: governo não conseguiu evitar a disseminação do vírus – BMJ

5 de março de 2021

Sob a liderança do presidente Jair Bolsonaro, o governo federal no Brasil não conseguiu implementar um plano sistemático para evitar a propagação do covid-19, em vez disso, sob o pretexto de abreviar a crise de saúde pública e proteger a economia, o governo brasileiro buscou uma estratégia de imunidade de rebanho. 

Conduzimos um estudo que reuniu e analisou leis, decisões judiciais, discursos e declarações públicas de funcionários federais, nós descobrimos que esses registros sugerem que o governo adotou uma abordagem em três frentes para alcançar imunidade de rebanho por contágio generalizado do público.

Em primeiro lugar, o presidente assinou decretos que definiam os serviços religiosos, a construção civil, os salões de beleza, as barbearias e as academias como serviços essenciais para que pudessem permanecer abertos mesmo em regime de bloqueio. 

Ele vetou uma série de medidas legislativas para limitar a disseminação da covid-19, como o uso obrigatório de máscaras faciais nas prisões; a exigência de que as empresas que permanecerem abertas durante a pandemia forneçam aos funcionários equipamentos de proteção individual gratuitos; o uso obrigatório de máscaras em espaços fechados (isso foi rejeitado com o fundamento de que isso violaria o direito à privacidade em uma casa); e proteções para comunidades indígenas – incluindo o fornecimento de água potável, produtos de higiene e limpeza, leitos hospitalares e de UTI. 

O presidente também excluiu várias ocupações de um programa de ajuda financeira emergencial, efetivamente forçando as pessoas a continuarem trabalhando durante a pandemia, ao mesmo tempo em que bloqueia as indenizações financeiras propostas pelo Congresso às famílias que perderam membros na linha de frente da pandemia de saúde. Estas são apenas algumas das medidas que Bolsonaro vetou.

Em segundo lugar, as respostas dos governos estaduais e municipais à pandemia têm sido sistematicamente obstruídas, o próprio presidente definiu isso como sua “guerra” contra líderes governamentais que adotaram medidas de contenção de doenças. Alguns exemplos são: o atraso injustificável de verbas emergenciais para estados e municípios; o uso de apenas uma pequena porção dos fundos de resposta à pandemia alocados pelo congresso; e, por meio do Ministério da Saúde, a má gestão sistemática das compras e distribuição de itens fundamentais como exames diagnósticos, equipamentos de proteção individual, respiradores, oxigênio, vacinas e seringas. 

Apesar da tremenda pressão de empresários e políticos, os governos estaduais e locais conseguiram evitar o colapso do Sistema Único de Saúde (SUS) – com exceções chocantes, como a cidade de Manaus. 

Finalmente, tem havido uma enxurrada de propaganda contra a saúde pública, isso assumiu a forma de um discurso político que emprega argumentos econômicos, ideológicos e morais e dissemina desinformação e informações cientificamente não verificadas com o propósito de desacreditar as autoridades de saúde, enfraquecendo a adesão pública às recomendações baseadas na ciência e encorajando o ativismo político contra a saúde pública medidas necessárias para conter covid-19. 

O presidente não apenas realizou reuniões públicas lotadas e viajou extensivamente por todo o país para presidir cerimônias como o corte de fitas; ele também tem sistematicamente empurrado o público para o contágio, dizendo: “ Todos vocês vão pegar um dia. Do que você tem medo? Enfrentá-lo ” e, ainda, “ Não adianta tentar fugir disso, fugir da realidade. Temos que deixar de ser um país de maricas. ” Além disso, ele opôs a saúde à economia. Ele incitou simpatizantes a invadir hospitais para mostrar que relatos sobre hospitais superlotados e a falta de respiradores eram supostamente falsos. Ele tentou desacreditar as vacinas, alegando que elas causam morte e incapacidades, e dizendo que “ Se você se transformar em um crocodilo, é problema teu.” Ele também tentou convencer o público de que a doença está desaparecendo. Em dezembro, ele disse: “Agora estamos no fim da pandemia”.

Sua recomendação nos estágios iniciais da pandemia de que as pessoas usem medicamentos ineficazes, como a hidroxicloroquina, é um elemento importante dessa campanha de propaganda. Essa recomendação foi emitida pelo Ministério da Saúde – mas não antes de um ministro ser demitido e outro renunciar. Este ministério de longa data e bem financiado tinha uma equipe técnica excepcional que resistiu às transições de poder por décadas, mas agora é chefiada por um general, enquanto mais de vinte cargos importantes são ocupados por oficiais militares, a maioria sem qualquer treinamento ou formação em saúde pública. 

O Brasil já ultrapassou 10.000.000 de casos confirmados de covid-19 e 250.000 mortes, e a doença continua sem controle. Em todo o mundo, uma em cada dez mortes de covid-19 ocorreu no Brasil; o SUS tem gasto fortunas no tratamento de pacientes internados em hospitais, principalmente em UTI, ameaçando a sustentabilidade do sistema; os profissionais de saúde estão exaustos; e, com a doença afetando desproporcionalmente os mais vulneráveis, a pandemia exacerbou as já acentuadas desigualdades sociais no Brasil.

Recentemente, lemos o editorial de Kamran Abbasi no The BMJ, que pergunta se o comportamento dos governantes durante a pandemia pode constituir um crime. Nos perguntamos qual é o propósito de ter leis e judiciários internacionais ou nacionais se estes não servem para criminalizar e punir agentes públicos por decisões que causam a morte de centenas de milhares de pessoas? Ou que expõe outros milhões a consequências imprevisíveis, sob o argumento não comprovado de que protegerá a atividade econômica? Em nossa opinião, a legislação brasileira e internacional em vigor oferece base para o lançamento imediato de um debate sobre a possibilidade de responsabilizar os governantes brasileiros em nível civil e criminal. Na verdade, talvez a ausência de qualquer debate mereça o rótulo de “cumplicidade”. 

Deisy Ventura, Professora, Diretora do Programa de Doutorado em Saúde Global e Sustentabilidade da Escola de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, Brasil

Fernando Aith, Professor, Diretor do Centro de Pesquisas em Direito Sanitário da Universidade de São Paulo

Rossana Reis, Professora Associada do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de São Paulo

Conflitos de interesses: nenhum declarado.

Covid-19 in Brazil: the government has failed to prevent the spread of the virus

CONHEÇA NOSSOS CURSOS. CLIQUE NAS IMAGENS PARA SABER MAIS!

Compartilhe em suas Redes Sociais