‘Neutrobots’ contrabandeiam drogas para o cérebro sem alertar o sistema imunológico

Bob Yirka, Tech Xplore

Capa: Ilustração de um cenário futuro de adoção de neutrobots com resposta dupla para terapia com drogas direcionadas no tratamento de gliomas malignos. Crédito: Kellie Holoski / Science Robotics

Uma equipe de pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Harbin, juntamente com parceiros do First Affiliated Hospital da Harbin Medical University, ambos na China, desenvolveu um pequeno robô que pode transportar medicamentos contra o câncer através da barreira hematoencefálica (BBB) ​​sem disparar uma reação imunológica

Em seu artigo publicado na revista Science Robotics, o grupo descreve seu robô e os testes com ratos, Junsun Hwang e Hongsoo Choi, com o Instituto Daegu Gyeongbuk de Ciência e Tecnologia na Coréia, publicaram um artigo Focus na mesma edição do jornal sobre o trabalho realizado pela equipe na China.

Por muitos anos, os cientistas médicos buscaram maneiras de fornecer drogas ao cérebro para tratar problemas de saúde, como câncer no cérebro, como o cérebro é protegido pelo crânio, é extremamente difícil injetá-los diretamente. 

Os pesquisadores também foram impedidos em seus esforços pelo BBBum mecanismo de filtragem nos capilares que fornecem sangue ao cérebro e à medula espinhal que bloqueia a entrada de substâncias estranhas. Portanto, simplesmente injetar drogas na corrente sanguínea não é uma opção. Nesse novo esforço, os pesquisadores usaram um tipo de célula de defesa que passa naturalmente pelo BBB para transportar drogas para o cérebro.

Para construir seus minúsculos robôs, os pesquisadores expuseram grupos de glóbulos brancos chamados neutrófilos a minúsculos pedaços de partículas magnéticas de nanogel revestidas com fragmentos de material de E. coli. Após a exposição, os neutrófilos envolveram naturalmente os minúsculos robôs, acreditando que eles não passavam de bactérias E. coli. Os microrrobôs foram então injetados na corrente sanguínea de um camundongo de teste com um tumor cancerígeno. A equipe então aplicou um campo magnético aos robôs para direcioná-los através do BBB, onde não foram atacados, pois o sistema imunológico os identificou como neutrófilos normais, e para o cérebro e o tumor. 

Uma vez lá, os robôs lançaram seus medicamentos de combate ao câncer!

O desenvolvimento dos neutrobôs, como os pesquisadores os chamam, é um grande avanço no tratamento de doenças cerebrais. Os pesquisadores planejam continuar seus esforços com ratos com o objetivo de testar seus minúsculos robôs em pacientes humanos.

 

 

Compartilhe em suas Redes Sociais