Como será o mundo após a COVID-19? Bill Gates – Ouça o podcast!

16 de novembro de 2020 

A vida após a Covid-19 será muito diferente da vida de antes, segundo o fundador e filantropo da Microsoft

Há cinco anos, Bill Gates praticamente previu a atual pandemia e a forma como os países responderiam ao problema. Isso fez com que ele passasse a ser considerado uma das vozes mais ouvidas sobre predição do futuro.

Gates lançou um podcast: clique abaixo e ouça!  

https://www.gatesnotes.com/Podcast/What-will-the-world-look-like-after-COVID-19

Junto com a atriz Rashida Jones, conversou com o infectologista Anthony Fauci e mostrou sete tendências que devem se perpetuar depois da Covid-19.

O primeiro episódio de Bill Gates e Rashida Jones Ask Big Questions é todo sobre a pandemia.

Como muitas pessoas, eu realmente comecei a ouvir podcasts no ano passado, eles são uma forma imersiva de aprender sobre o mundo, e gosto de como o formato permite que você mergulhe o mais fundo que quiser em um tópico. Então, eu estava inspirado para começar um por conta própria – mas eu sabia que não poderia fazer isso sozinho.

Eu não poderia pedir um parceiro melhor neste projeto do que Rashida Jones. Um amigo em comum sugeriu que nós dois poderíamos ter muito o que conversar, e descobrimos que ele estava certo. Eu já sabia que ela era uma atriz talentosa, mas fiquei impressionado com sua perspectiva atenciosa sobre o mundo. Então, decidimos começar um podcast que nos permite pensar juntos sobre alguns dos problemas mais urgentes da atualidade. Em nosso primeiro episódio, Rashida e eu exploramos uma grande questão que está na cabeça de muitas pessoas: como será o mundo depois de COVID-19?

Sei que é difícil imaginar agora, enquanto novos casos estão surgindo ao redor do mundo, mas chegará um momento em que a pandemia COVID-19 ficará para trás. Acho que é seguro presumir que a sociedade mudará para sempre, considerando o quão perturbador o vírus tem sido para praticamente todas as partes de nossas vidas.

Infelizmente, ainda temos um longo caminho a percorrer antes que a vida realmente volte ao “normal”. Rashida e eu fomos acompanhados pelo Dr. Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, para discutir o que esperar nos próximos meses. Tive a oportunidade de trabalhar com o Dr. Fauci em uma série de questões de saúde global ao longo dos anos, incluindo a busca por uma vacina e cura para o HIV. Ele é um cara tão quieto e despretensioso normalmente, então foi louco vê-lo se tornar uma grande celebridade.

O Dr. Fauci e eu estamos otimistas de que uma vacina acabará com a pandemia em algum momento no futuro próximo. Mas a aparência do mundo depois disso é muito menos claro. Suspeito que algumas das tendências de digitalização que vimos – especialmente nas áreas de aprendizagem online, telemedicina e trabalho remoto – se tornarão uma parte regular de nossas vidas. Espero que este episódio deixe você esperançoso sobre o futuro e curioso sobre o que vem a seguir.

https://www.gatesnotes.com/

Confira:

  1. Reuniões remotas serão normalizadas
    Antes da pandemia, elas eram raras, e podiam até ser consideradas um descaso com os clientes. Agora, se tornarão rotina. “Assim como a Segunda Guerra Mundial trouxe as mulheres para a força de trabalho e muitas delas permaneceram, essa ideia de se perguntar ‘Eu preciso ir para lá fisicamente?’ Deve permanecer”, diz ele.
  2. Os softwares terão melhorias significativas
    Não só a ideia de uma reunião à distância parecerá mais natural, mas Gates também prevê que as ferramentas para fazer isso logo serão muito melhores do que as que usamos agora. “O software era meio desajeitado quando tudo isso começou, mas agora as pessoas estão usando tanto que ficarão surpresas com a rapidez com que inovaremos”, prevê.

    3. As empresas poderão compartilhar um escritório
    Com a maior adesão ao trabalho remoto, as empresas precisarão menos dos escritórios. E isso poderá impactar diversas decisões, inclusive imobiliárias. “Acho que as pessoas vão menos para o escritório. Você pode até mesmo dividir os espaços com uma empresa em que os funcionários usem em dias ou horários diferentes”, sugere.

  3. Escolheremos morar em lugares diferentes
    O trabalho remoto também deve remodelar as comunidades, na visão de Gates. Os centros da cidade serão menos importantes, e até os designs das casas podem ser repensados. “Em cidades como Seattle e São Francisco, mesmo para quem é bem pago, o aluguel custa um absurdo”, ressalta. Sem a âncora de um escritório que você precisa visitar todos os dias, ficar em lugares tão caros torna-se menos atraente, e uma casa maior em uma comunidade menor e com menos tráfego pode ser mais atrativo.

    5. Você socializará menos no trabalho e mais na sua comunidade
    Outro efeito indireto do trabalho remoto apontado por Gates é a forma como trabalhamos e as pessoas com quem socializamos. Você pode gastar menos de suas energias sociais no trabalho, ele prevê, e mais com seus entes queridos em sua comunidade local, à noite ou aos finais de semana.

  4. As coisas não vão voltar totalmente ao normal por muito tempo
    Se essa última previsão parece atraente, a próxima, que Gates apresenta em parceria com o especialista Fauci, é menos animadora. Mesmo depois da aprovação de uma vacina localmente, as coisas não voltarão totalmente ao normal até que o mundo inteiro derrote a doença.

“Haverá uma fase em que teremos números muito baixos nos Estados Unidos, mas ainda estará avançado em outras partes do mundo. Acho que muitas pessoas permanecerão bastante conservadores em seu comportamento, especialmente se eles se associam com pessoas mais velhas, cujo risco de ficar muito doente é muito alto”, diz ele.

  1. A próxima pandemia não será tão grave
    Embora essa pandemia tenha sido um pesadelo, Gates tem esperança de que na próxima vez que uma doença surgir, o mundo se sairá muito melhor para contê-la. “O principal motivo de ter um impacto menos destrutivo é que teremos praticado. Teremos feito treinos de doenças como treinos de guerra – quase todos os países responderão como a Coreia do Sul ou Austrália: testando rapidamente e colocando pessoas em quarentena. Nossas ferramentas de teste serão muito melhores. Não seremos tão estúpidos na segunda vez.”

https://revistapegn.globo.com/

 

 

Compartilhe em suas Redes Sociais