Sete modelos de negócio para década seguinte – Peter Diamandis

Algumas das inovações mais potentes que ocorrem hoje não envolvem tecnologias revolucionárias …, mas sim a criação de modelos de negócios fundamentalmente novos.

Durante a maior parte da história, esses modelos foram notavelmente estáveis, dominados por algumas ideias-chave, atualizados por algumas variações importantes sobre esses temas. 

·        Na década de 1920, era o modelo “isca e anzol”, em que os clientes eram atraídos com um produto inicial de baixo custo (a isca: uma navalha grátis) e depois obrigados a comprar recargas sem fim (o anzol: recargas de lâmina).

·        Na década de 1950, era o “modelo de franquia” pioneiro do McDonald’s. 

·        Na década de 1960, onde tivemos “hipermercados” como o Walmart.

Mas com a chegada da Internet na década de 1990, a reinvenção do modelo de negócios entrou em um período de crescimento radical. 

Em menos de duas décadas, vimos efeitos de rede gerarem novas plataformas em tempo recorde, Bitcoin e blockchain prejudicaram os modelos financeiros existentes de “terceiros confiáveis” e o crowdfunding derrubou as formas tradicionais de captação de capital. 

Agora estamos vendo 7 modelos emergentes programados para redefinir os negócios nas próximas décadas.

E hoje, enquanto inúmeras empresas são ancoradas por uma mentalidade de manutenção – competindo apenas na execução operacional – é mais vital do que nunca alavancar esses modelos de negócios para o sucesso na década de 2020. 

Cada uma é uma nova maneira revolucionária de criar valor – cada uma é uma força de aceleração.

Vamos mergulhar …

7 MODELOS DE NEGÓCIO QUE REGRAM A PRÓXIMA DÉCADA

(1)  A economia coletiva: Crowdsourcing, crowdfunding, ativos alavancados e equipe sob demanda – essencialmente, todos os desenvolvimentos que alavancam bilhões de pessoas já online e os bilhões que estão online.

Todos revolucionaram a forma como fazemos negócios, basta considerar ativos alavancados, como os veículos do Uber e os quartos do Airbnb, que permitem que as empresas cresçam rapidamente

Esses modelos de economia de multidão também contam com funcionários sob demanda, que fornecem à empresa a agilidade necessária para se adaptar a um ambiente em rápida mudança, e é tudo, desde trabalhadores de micro-tarefas por trás do Mechanical Turk da Amazon na extremidade inferior, aos serviços de cientista de dados sob demanda da Kaggle na extremidade superior.

Exemplo: o Airbnb se tornou a maior “rede de hotéis” do mundo, mas não possui um único quarto de hotel. Em vez disso, ele aproveita (ou seja, aluga) os ativos (quartos extras) da multidão, com mais de 7 milhões de quartos, flats e casas em mais de 100.000 cidades em todo o mundo. 

(2)  The Free / Data Economy:  Esta é a versão de plataforma do modelo “isca e anzol”, essencialmente atraindo o cliente com acesso gratuito a um serviço legal e, em seguida, ganhando dinheiro com os dados coletados sobre esse cliente. Também inclui todos os desenvolvimentos impulsionados pela revolução da big data, que nos permite explorar a microdemografia como nunca antes.

Exemplo: Facebook, Google, Twitter – há um motivo pelo qual esse modelo transformou startups de dormitórios em superpotências globais. As consultas de pesquisa do Google por dia aumentaram de 500.000 em 1999, para 200 milhões em 2004, para 3 bilhões em 2011, para 5,6 bilhões hoje. Enquanto mais usuários estão se conscientizando dos valiosos dados que trocam em troca do serviço de busca “gratuito” do Google, este modelo testado e comprovado provavelmente continuará a ter sucesso na década de 2020.

(3)  A economia da inteligência:  no final dos anos 1800, se você quisesse uma boa ideia para um novo negócio, tudo que você precisava era pegar uma ferramenta existente, digamos uma furadeira ou uma tábua de lavar, e adicionar eletricidade a ela – criando assim uma força broca ou uma máquina de lavar.

Na década de 2020, IA será a eletricidade, em outras palavras, pegue qualquer ferramenta existente e adicione uma camada de inteligência. Assim, os telefones celulares se tornaram smartphones e os alto-falantes estéreo se tornaram alto-falantes inteligentes e os carros se tornaram veículos autônomos. 

Exemplo: todos nós conhecemos os grandes nomes que incorporam IA em seus modelos de negócios – da Amazon ao Salesforce. Mas mais startups de IA surgem a cada dia: 1.000 empresas relacionadas à IA nos EUA levantaram mais de US $ 27 bilhões em capital de risco em 2020, de acordo com o Pitchbook. Uma das empresas mais valorizadas é a Scale AI, uma empresa de rotulagem de dados que dá suporte a equipes de aprendizado de máquina, avaliada atualmente em US $ 7,3 bilhões. Espere que a IA continue transformando a maioria das empresas na década de 2020.

(4)  Economias de ciclo fechado:  Na natureza, nada é desperdiçado, os detritos de uma espécie sempre se tornam a base para a sobrevivência de outra espécie. As tentativas humanas de imitar esses sistemas totalmente livres de resíduos foram apelidadas de “biomimética” (se você está falando sobre projetar um novo tipo de produto) ou “berço a berço” (se você está falando sobre projetar um novo tipo de cidade) ou, mais simplesmente, “economias de circuito fechado”. Esses modelos se tornarão cada vez mais prevalentes com o aumento de consumidores ambientalmente conscientes e os benefícios de custo dos sistemas de circuito fechado.

Exemplo: O Banco de Plástico, fundado em 2013, permite que qualquer pessoa recolha resíduos de plástico e os deixe em um “banco de plástico”. O coletor é então pago pelo “lixo” em qualquer coisa, desde dinheiro até tempo de WiFi, enquanto o banco de plástico separa o material e o vende para o reciclador apropriado – fechando assim um ciclo aberto no ciclo de vida do plástico.

(5)  Organizações Autônomas Descentralizadas (DAOs):  Na convergência de blockchain e IA está um tipo radicalmente novo de empresa – sem funcionários, sem patrões e com produção ininterrupta. Um conjunto de regras pré-programadas determina como a empresa opera e os computadores fazem o resto. Uma frota de táxis autônomos, por exemplo, com uma camada de contratos inteligentes apoiada por blockchain, poderia funcionar 24 horas por dia, 7 dias por semana, incluindo dirigir até a oficina para manutenção, sem qualquer envolvimento humano.

Exemplo: Enquanto os DAOs estão apenas começando a surgir, a plataforma DAOstack está trabalhando para fornecer a essas empresas ferramentas para o sucesso, incluindo incentivos criptoeconômicos confiáveis ​​e protocolos de governança descentralizados. DAOstack visa criar negócios onde a única influência externa é o cliente. 

(6)  Modelos de múltiplos mundos:  Não vivemos mais em apenas um lugar, temos personae do mundo real e personae online, e essa existência deslocalizada só vai se expandir. Com o surgimento da Realidade Aumentada e da Realidade Virtual, estamos introduzindo mais camadas para essa equação. Você terá avatares para trabalho e avatares para diversão, e todas essas versões de nós mesmos são oportunidades para novos negócios. 

Exemplo: Second Life, o primeiro mundo virtual criado em 2003, deu origem a uma economia multimilionária. As pessoas estavam pagando outras pessoas para projetar roupas e casas digitais para seus avatares digitais. Cada vez que adicionamos uma nova camada aos estratos digitais, também adicionamos toda uma economia construída sobre essa camada, o que significa que agora conduzimos nossos negócios em vários mundos ao mesmo tempo. Hoje todos dominamos o Zoom, amanhã estaremos mergulhando fundo no SpatialWeb, indo e voltando entre vários mundos virtuais e nossa realidade física usando tecnologias como Vatoms e Spatialweb.net para navegar no Metaverso.

(7)  Economia de transformação:  a economia da experiência tratava do compartilhamento de experiências – então a Starbucks deixou de ser uma franquia de café para se tornar um “terceiro lugar”. Ou seja, nem casa nem trabalho, mas um “terceiro lugar” para viver a sua vida. Comprar uma xícara de café se tornou uma experiência, uma espécie de parque temático com cafeína. A próxima iteração dessa ideia é a Economia da Transformação, onde você não está apenas pagando por uma experiência, mas também para ter sua vida transformada por essa experiência.

Exemplo: as primeiras versões deste modelo podem ser vistas no surgimento de “festivais transformacionais” como o Burning Man, ou empresas de fitness como a CrossFit, onde a experiência é geralmente ruim (você trabalha em armazéns antigos), mas a transformação é grande (a pessoa que você se torna depois de três meses trabalhando nesses depósitos). Os consumidores não estão mais em busca de experiências meramente prazerosas – eles estão em busca de desafios que se transformam. É também aqui que tecnologias como Spatialweb.net e Dreamscape ajudarão a digitalizar, desmaterializar e democratizar essas experiências em todos os lugares do planeta.

PENSAMENTOS FINAIS

O que tudo isso nos diz é que os negócios normais estão se tornando incomuns.

E para as empresas existentes, como Clayton Christensen de Harvard explicou, isso não é mais opcional: “A maioria [das organizações] pensa que a chave para o crescimento é desenvolver novas tecnologias e produtos. 

Mas, muitas vezes não é assim, para desbloquear a próxima onda de crescimento, as empresas devem incorporar essas inovações em um novo modelo de negócios disruptivo.”

E para aqueles de nós que estão fora desses modelos disruptivos, nossa experiência será melhor, mais barata e mais rápida.

 Novos modelos de negócios com melhor significado fazem o que todos os modelos de negócios fazem – resolvem problemas para as pessoas no mundo real melhor do que ninguém. 

Mais barato é óbvio, com a desmonetização em alta, os clientes – e isso significa todos nós – estão esperando mais por menos.

Mas a mudança real é a mudança final:  mais rápida, novos modelos de negócios não são mais forças para estabilidade e segurança. 

Para competir no clima acelerado de hoje, esses modelos são projetados para velocidade e agilidade!

Mais importante ainda, nada disso corre o risco de abrandar.

PARTICIPE DA MINHA COMUNIDADE 360

Se você quer meu coaching como um empreendedor exponencial e para reforçar as mentalidades que irão inspirar e guiá-lo a criar um futuro promissor, atraente e abundante para você e a humanidade, então considere aderir ao meu programa de coaching Abundance360 durante todo o ano.  

Todos os anos, minha equipe e eu selecionamos um grupo de 360 ​​empresários e CEOs para treinar ao longo de um programa de um ano. Você pode ingressar a qualquer momento por um ano inteiro de treinamento pessoal em tecnologia exponencial, longevidade, fotos da lua e pensamento de abundância.

Minha missão é ajudar os membros do A360 a obter domínio em quatro mentalidades específicas: uma mentalidade de abundância; uma mentalidade exponencial; uma mentalidade Moonshot; e uma mentalidade de longevidade. Juntos, selecionaremos e reforçaremos ativamente seus Mindsets preferidos.

Para saber mais e se inscrever no A360, visite abundance360.com

© PHD Ventures, 800 Corporate Pointe, Culver City, California, 90230, Estados Unidos

syatesbz@gmail.com SERGIO YATES

Compartilhe em suas Redes Sociais